odc_site_peças gráficas_destaque1

odc_site_peças gráficas_destaque2

odc_site_peças gráficas_destaque3

 

 

odc_site_peças gráficas_destaque4

 

 

odc_site_peças gráficas_destaque5

 

 

odc_site_peças gráficas_destaque6

odc_site_peças gráficas_destaque7

odc_site_peças gráficas_destaque8

Mulheres marcam um gol de placa

Desde 2007, a Federação Mineira de Futebol por meio do Setor de Futebol Amador da Capital (SFAC) promove a Copa de BH de Futebol Feminino na capital mineira. A sequência ininterrupta do campeonato e a adesão de agremiações que se inscrevem todos os anos mostra que a competição ganha relevância no cenário regional. Para além disso, a existência do campeonato gera visibilidade para o futebol de várzea feminino configurando em um ato de resistência quando consideramos que a nossa sociedade valoriza apenas a atuação masculina no esporte mais popular do país – quiçá do mundo – e vangloria grandes times e campeonatos. Abaixo mostramos mais detalhes sobre o campeonato e um breve histórico da presença das mulheres no futebol.
O Gerente do SFAC, Marcos Artur de Mendonça, salienta que houve um aumento considerável da prática do futebol feminino na capital pela quantidade de clubes que disputaram a edição deste ano. “A primeira edição, em 2007, 8 clubes disputaram a competição. Neste ano, 16 agremiações se inscreverão para a disputa”, afirma. Participam da competição atletas com de 14 a 40 anos.

Sobre a 11°Copa BH de Futebol Feminino

Os resultados da última rodada da 2°Fase da 11°Copa BH de Futebol feminino, que aconteceram ontem, 18/6, sacramentaram as classificações de Prointer e Manchester (Chave 3); e de América e Industrial (Chave 4) para as semifinais que acontecem no próximo domingo, 25/6, com locais e horários a serem definidos pela Federação Mineira de Futebol. Os vencedores das semifinais, que se enfrentam em partida única, realizarão a final, também em jogo único, no dia 2/7.

Quinze equipes irão disputar o torneio, no entanto, Bahia e Grêmio Justinópolis desistiram na véspera da competição. As Treze equipes de Belo Horizonte e região metropolitana que iniciaram a competição foram dividias em 2 chaves: uma com 8 equipes e outra com 7 equipes.

Grupo A: Águia Mineira, Recanto Azul, Manchester, São Miguel, Prointer, Américo e Nacional.
Grupo B: América, Tupynambás, Minas, Paraíso, Internacional, Industrial e Santa Tereza.

A edição deste ano registrou a maior goleada de todos os tempos nos onze torneios disputados. No dia 30/4, jogando em seus domínios, o Tupynambás goleou o Minas por 38 a 0, derrubando a marca do América que, na edição de 2016, havia feito 34 a 0 no Santa Maria. A goleadora do jogo foi Ana Carolina com 7 gols feitos.

 Aumento do futebol feminino em Belo Horizonte

As significativas conquistas da seleção feminina, a partir da década de 90, podem ser um dos fatores para o aumento significativo do número de mulheres brasileiras que praticam o esporte. No entanto, o interesse pelo esporte pelas mulheres não é recente. Os primeiros registros de partidas de futebol feminino no Brasil são datados em 1913. A partir dos anos 40, o interesse pelo futebol feminino começou a chamar a atenção da opinião pública brasileira que não via com bons olhos. Em 1965, no auge da ditadura militar no pais, a partir de artigos de médicos especialistas em medicina esportiva, o governo brasileiro instituiu uma lei através do Conselho Nacional de Desporto (CND) que, a partir da resolução número 7/65, proibiu as mulheres de praticarem lutas, futebol, pólo aquático, pólo, rugby e baseball.

Os argumentos destes profissionais eram que estas práticas esportivas realizadas pelas mulheres poderiam trazer consequências traumáticas nos órgãos de reprodução feminina. Na segunda metade dos anos 8º, o o CND reconheceu a necessidade de estímulo à participação das mulheres nas diversas modalidades esportivas do país, revogando tal lei.

Hoje, embora o número de mulheres que praticam o esporte tenha aumentado, elas têm que lidar com o preconceito e com as condições precárias do esporte. É uma linha tênue que separa o futebol profissional do amador. Em Minas Gerais existem apenas duas equipes femininas: o América Futebol e Clube, de Belo Horizonte e o Ipatinga Futebol Clube. Algumas equipes amadoras também disputam o campeonato mineiro feminino: Prointer, Manchester, Nacional e Internacional se aventuraram na edição de 2016 vencida pelo América que, para não ficar inativo, disputa a Copa BH de Futebol Feminino, competição basicamente de clubes amadores, para dar ritmo de jogo para suas jogadoras que disputam competições profissionais organizadas pela FMF e Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Fonte:
Federação Mineira de Futebol
Página do Facebook da Copa BH de Futebol Feminino
http://trivela.uol.com.br/o-futebol-feminino-ja-foi-proibido-ate-pela-lei-brasileira-mas-segue-na-luta-pela-emancipacao/

 

Imagens: FMF e Copa BH de Futebol Feminino

 

Link permanente para este artigo: http://observatoriodadiversidade.org.br/site/mulheres-marcam-um-gol-de-placa/

Inscrições para residência em pesquisas visuais vão até 27 de junho

Durante um mês, o projeto “Residência Materia Gris em movimento” acompanhará uma proposta de pesquisa direcionada a artistas visuais e curadores. O processo irá desde o momento de prática, testes e investigação até a finalização com um evento público no formato de estúdio aberto. As curadoras Matecha Rojas, da Bolívia, e Beatriz Lemos, do Brasil, acompanharão o passo a passo.

As inscrições encerram dia 27 de junho e o resultado será divulgado a partir do dia 1 de julho, sendo que o período de residência vai de 15 de agosto até 15 de setembro de 2017. É necessário o envio de portfólio e carta de intenção.

O programa oferece passagem de ida e volta de ônibus, hospedagem e almoço, ajuda de custo para produção de até 500 dólares e espaço de trabalho e reuniões.

Envie sua inscrição para: lastro.residencia@gmail.com

 

Link permanente para este artigo: http://observatoriodadiversidade.org.br/site/inscricoes-para-residencia-em-pesquisas-visuais-vao-ate-27-de-junho/

Festejo da Guarda de Congo retorna à capital mineira


A Irmandade “Os Carolinos” está retomando as atividades de sua Guarda de Moçambique e Congo. Os festejos celebram a devoção à Nossa Senhora do Rosário, ao Sagrado Coração de Jesus, ao São Benedito e aos demais santos e antepassados da crença.

Os eventos serão realizados no bairro Aparecida, em Belo Horizonte, com entrada gratuita, nos dias 17, 24 e 25 de junho. Este é um projeto aprovado no Edital 01/2017 de Chamamento Público para Concessão de Patrocínio a Eventos, do Governo de Minas Gerais.

Programação
17/6, sábado, às 11h – Samba de Preto Velho com Sérgio Pererê
24/6, sábado, às 20h – Levantamento das bandeiras festeiras
25/6, domingo, 5h às 22h – Festa grande

Endereço

Rua Amíro Rodrigues Campos esquina com rua Cirilo Gaspar de Oliveira, Aparecida-BH

Contato: 31-97598-5979 / 98536-6106

Imagem: Festejo da Guarda de Congo, Irmandade Os Carolinos

Link permanente para este artigo: http://observatoriodadiversidade.org.br/site/festejo-da-guarda-de-congo-retorna-a-capital-mineira/

Posts mais antigos «